Close
  • Rua Rui Barbosa, 420 - Centro
  • Seg. à Sex. 8h às 18h

Coronavírus: pandemia está esvaziando geladeiras dos brasileiros

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Pesquisa do Unicef mostrou piora na alimentação dos brasileiros e consumo de comida industrializada como salsichas só aumenta

 

Antes da pandemia, Monica Ferreira da Silva, de 50 anos, tinha o hábito de comprar queijo, frutas e verduras. O filho mais novo, de 10 anos, fazia ao menos três refeições por dia na escola municipal do Rio.

 

Banana, que ele adora, sempre tinha, além de pão integral, leite e achocolatado. Com a crise de saúde global, os armários e a geladeira esvaziaram. “Não entram mais essas coisas porque não tem como comprar.”

 

Segundo pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgada na terça-feira, 25, um em cada cinco brasileiros relata não ter conseguido comprar alimentos durante a quarentena.

 

“Uma amiga ajudou, deu R$ 100. Outro amigo emprestou mais R$ 100 e vou fazendo compras, pago as contas”, relata Monica, que nesse período recebeu duas cestas básicas de doação, uma em maio e outra em junho.

 

Quando a comida é pouca, ela deixa para os filhos e se alimenta com mingau. Durante a pandemia, chegou a ter só arroz e água na geladeira.

 

“Antes, a gente não tinha preocupação. Tinha carne moída para fazer com batata, cenoura. Isso não tenho mais. Se compro, tem de ficar dosando para durar uma semana. Compro frango, que é mais barato.”

 

Na zona leste de SP
Já na zona leste de São Paulo, Cicera Bezerra da Silva, de 30 anos, está desempregada. O marido faz bicos como ajudante de pedreiro e o filho de 6 anos está em casa.

 

A família mora em São Mateus, na periferia, e há cinco meses não tem renda fixa: só o auxílio emergencial. “Antes da pandemia, era bom. Graças a Deus, nunca comemos sem mistura (carne), mas depois começamos a comer sem. Às vezes falta e antes não faltava”, conta.

 

Por seis meses, receberam doação de cestas básicas de uma igreja. Se antes a criança tomava até cinco mamadeiras por dia, hoje é só uma, complementada com a comida que dá para comprar. Só entram o essencial e o mais barato: arroz, feijão, ovo e salsicha – este último eles nem gostavam de comer.

 

Abriu espaço para enlatados
Segundo a pesquisa do Unicef, a dieta do brasileiro também piorou: um terço (31%) das famílias que têm crianças e adolescentes afirma que aumentou o consumo de produtos industrializados, como macarrão instantâneo e biscoito recheado. Nesse grupo, 20% relatam exagero no fast-food, como hambúrgueres.

 

da Redação com informações do Terra – foto: divulgação internet

admin

admin

Escreva o seu comentário!

Sobre Mim

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Novas Postagens

Siga nós