Close
  • Rua Rui Barbosa, 420 - Centro
  • Seg. à Sex. 8h às 18h

STF julga liberação de cultos e missas durante a pandemia

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O STF (Supremo Tribunal Federal), julga, nesta quarta-feira (7 de abril), a liberação de cultos e missas presenciais. O relator, ministro Gilmar Mendes, indeferiu ação (ADPF 811) do PSD (Partido Social Democrático) contra decreto que vetava eventos religiosos no Estado de São Paulo.

 

Em outra ação (ADPF 701), o ministro Nunes Marques autorizou atividades religiosas no país, desde que se respeitem os protocolos sanitários. A PGR (Procuradoria Geral da União) e AGU (Advocacia Geral da União) são favoráveis à decisão do ministro, indicado neste ano para a Corte pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

Eis o que ainda pode ser julgado hoje:

  • Lei de Patentes (ADI 5529) – julgam inconstitucionalidade de artigo da Lei de Propriedade Industrial. A PGR argumenta que dispositivo permite vigência de patentes por prazo indeterminado, em caso de demora na análise do INPI.
  • Cobrança de dívidas (ADPF 357) – governo do DF questiona preferência da União sobre Estados e municípios na cobrança judicial de créditos da dívida ativa. Argumenta que prejudica as contas de governos locais. A regra está no Código Tributário Nacional.
  • Redução no ICMS (ADI 4858) – Assembleia Legislativa do Espírito Santo contesta resolução do Senado que diminuiu alíquotas interestaduais do ICMS sobre mercadorias importadas. A taxa foi de 12% para 4%.
  • Jogos de azar (RE 966177) – ação que discute a constitucionalidade de artigo da Lei de Contravenções Penais, de 1941, que proíbe os jogos de azar. Tem repercussão geral.

por Poder 360 – foto: Sérgio Lima Poder 360 / reprodução

admin

admin

Escreva o seu comentário!

Sobre Mim

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Novas Postagens

Siga nós